Quando o ego é maior do que o Método

By on 8 de junho de 2017

Sempre Alerta Para Servir, estimados Chefes Escoteiros.

A vivência do Movimento Escoteiro enseja uma postura dos adultos que percebam-se como agentes de transformação através de uma educação individualizada, prazerosa e significativa. Em suma, é o sistema educacional que dá à criança e ao jovem a possibilidade de desenvolver-se integralmente nas esferas física, emocional/afetiva, social, espiritual e do caráter. Esse trabalho sistemático, constitui elemento central da prática do Escotismo.

Importante, contudo, é a observação da existência de alguns adultos em nossos Grupos Escoteiros que, muito mais do que focarem seu trabalho na formação de indivíduos críticos e reflexivos, procurem alguma forma de autopromoção ou a imposição de pensamentos particulares que, ao se afastar do Método Escoteiro, escamoteiam a prática saudável do próprio Escotismo por inanição. Quando as práticas se afastam dos elementos geradores, podem trazer problemáticas de grave interferência e dando, decerto, a noção de um escotismo particular em esferas que a literatura especializada (os livros de BP, escritos de Vera Barclay – no Ramo lobo e outros) o foram aparentemente omissas ou entenderam ser, de fato, zonas de relevância local a ser desempenhada pelo próprio Grupo Escoteiro em sua análise de conjuntura.

Pensar numa relação dessas parece meio contraditório: temos, de um lado, a organização de uma literatura especializada, original, focada nos resultados baseadas especificamente em processos pessoais de desenvolvimento de acordo com inúmeros condicionantes de ordem individuais; doutra banda temos os aspectos eletivos ou secundários que não se entronizam diretamente com a literatura especializada porque dizem respeito à organização do contexto social, político e das próprias diretrizes a que os elementos que constituem aquele espaço de poder e construção educativa desempenham no exercício de suas funções sociais, dentro e fora do Movimento Escoteiro.

A percepção de que as realidades influenciam na qualidade do Escotismo pode passar uma noção determinista, frágil e ultrapassada, como se existissem condições sociais de privilégio de uns em detrimento de outros. O Movimento Escoteiro veio, na verdade, para dar oportunidades de desenvolvimento de habilidades e competências aos que nele procuram ancoragem, construindo o caráter para que haja uma nação forte, que respeite a Deus (independentemente de denominações e matrizes etnicorraciais ou religiosas) e viva plenamente a fraternidade, orientado pelas leis e pela Promessa que fazem ao entrar, de fato, no Movimento Escoteiro e daí, fazer parte da fraternidade mundial.

Nesta percepção de existência de um sentimento de pertencimento que faz com que os Escoteiros ao redor do mundo possam encontrar-se, sustenta-se a noção de uma vida regrada pela organização de vida mediante vivência do Método Escoteiro, dentro e fora da sede, com ou sem a presença do Chefe Escoteiro, tornando o processo mais complexo e completo à medida em que permite uma sensível mudança atitudinal de crianças e jovens. Quando pensamos em Movimento Escoteiro, o Chefe deve ter em mente que seu foco é a aplicação do Método para que as crianças e jovens sejam, de fato, felizes e plenos de existência.
Não caberá, assim, aos adultos meterem-se em discussões infindáveis sobre assuntos de cunho secundário, supondo ser um assunto de última ordem pois, havendo esse desvio, o próprio Movimento passa a ter um caráter desviado e uma aplicabilidade defeituosa. Deixa-se de praticar o verdadeiro escotismo e passa-se a praticar política escoteira, engavetadora de sonhos, castradora de objetivos e silenciadora de vidas. O Movimento Escoteiro é um movimento vanguardista a partir do momento em que dá aos indivíduos condições de alçarem voo per si. Como irmãos mais velhos, é preciso que pensemos nos nossos irmãos mais novos, traduzindo-lhes, quando necessário, através de nossas experiências, o testemunho (através do exemplo) da natureza e da verdade do que costumamos definir como sendo um dos principais pontos da nossa realidade como Chefes Escoteiros, na vivência das Leis e da Promessa.

A todos e todas, fraternos abraços e Sempre Alerta Para Servir o Melhor Possível!