A formação dos adultos como elemento de ordem da AEBP: quando qualidade é melhor que quantidade

By on 27 de outubro de 2017

A AEBP nasce com um propósito: retornar às práticas do Escotismo Tradicional, isto é, buscar nas origens aquilo que dá certo através da aplicação do programa desenvolvido por Baden Powell quando experimentou o acampamento com jovens, através das quatro patrulhas originais, a saber, touro, lobo, corvo e maçarico, vindo, posteriormente, a escrever sobre a experiência no livro Escotismo para Rapazes.

Neste contexto, o adulto integrante do Movimento Escoteiro, independente do ramo que trabalhe, necessita estar alinhado com a linguagem do escotismo, isto é, ter contato com os elementos que guiam a estrutura do Movimento para instrumentalizar as atividades de forma progressiva, divertida e diversificada. Para isto nada mais importante do que especializar-se. E como o adulto no Movimento pode se especializar? Simples: fazendo cursos.

Na AEBP temos um sistema de 3 níveis elementares: Nível 1, Nível 2 e Pré-IM.

No curso Nível 1 temos a vivência de uma carga horária compatível com as necessidades, aplicáveis ao Ramo a que o curso está direcionado. Normalmente é ministrado para dois ramos num dia, com vivência prática e poucas informações de cunho teórico esquemático em palestras, sendo eficaz a partir da vivência dos sete pilares do movimento, que falaremos mais a frente.

Já no curso Nível 2 temos uma preocupação com uma vivência mais intensa com relação às etapas de cada Ramo, isto é, na carga horária compatível, os cursantes tem uma vivência sobre o que é passar pelo sistema de progressão, vencendo seus medos e aprendendo a viver como uma unidade e não como um indivíduo isolado, através do sistema de patrulha ou da vida em equipe.

No Nível Pré-IM há uma preparação para o curso de formação da Insígnia da Madeira, isto é, constitui-se de uma organização que congrega elementos técnicos com elementos de natureza intelectual necessários ao empreendimento de um curso de Insígnia da Madeira.

Acreditamos que a formação dos adultos poderá ajudar de maneira significativa na qualidade do escotismo por eles propostos, inclusive porque aumenta consideravelmente o repertório de atividades, canções e jogos, fazendo-o entender a dinâmica de condução de uma reunião, a perspectiva de realidade e necessidade de grupo, exercício da proatividade em favor da resolução de questões administrativas e de Tropa.

Acreditamos que todos os adultos devem ter noção de como gerenciar um grupo. Nossa formação ocorre de maneira integral, não cabendo separações entre aqueles que dirigem grupo e aqueles que dirigem tropas. A chefia é, sem dúvidas, uma atividade que comporta todas essas características e o Chefe deverá estar pronto a exercê-las com o máximo de calma e parcimônia quanto sejam possíveis.

O investimento em cursos, a preparação de estratégias que deem às crianças e aos jovens um pouco mais de protagonismo, entendendo a vida em patrulha como uma unidade viva de autogestão em que o adulto passa a ser mero coadjuvante é por em prática os elementos estruturais que BP decidiu ao fundar o Escotismo. Fazer cursos nos dá a noção de que nunca sabemos de tudo e ajuda a que, conhecendo novas pessoas, modos de fazer e de pensar diferentes, sejamos plenamente convidados a desfrutar da maravilha que é a necessidade de compartilhar da vida simples e da aprendizagem significativa.

Nos cursos o adulto aprende os sete pilares através da vivência. São eles:

  1. Aceitação da Lei e da Promessa;
  2. Aprender fazendo;
  3. Sistema de Patrulha (Para nós do Ramo Lobinho: Vida em equipe);
  4. Presença de um sistema simbólico;
  5. Participação de adultos voluntários, como auxiliares;
  6. Sistema de Progressão; e
  7. Vida ao ar livre.

O ciclo básico de formação de um adulto se dá com a conclusão do Curso de Insígnia da Madeira (IM).

Um forte aperto de canhota, fraternos abraços e Sempre Alerta Para Servir o Melhor Possível!