O Método Escoteiro é tradicional e simples, não há espaço para invencionices!

By on 1 de março de 2018

A vivência do escotismo, nos fundamentos, traz a noção de simplicidade, respeito ao autodesenvolvimento e assunção voluntária das Leis e da Promessa. Neste sentido, a percepção de que é necessário investir na simplicidade inicial proposta por BP é manter um compromisso de tratar com o devido respeito o que o nosso fundador determinou, ainda que a título de organização geral, de diretrizes para o Movimento Escoteiro. A simplicidade das dez Leis expõem uma aversão ao rebuscamento livresco sob a visão de que as inúmeras incursões fundadas numa educação apenas do conteúdo programático deu errado, carecendo de uma dimensão prática, tangível, palpável.

Assim é o Movimento Escoteiro. Simples, diverso, divertido, inclusivo e tradicional. Ora, a imersão na história do escotismo e nas leituras essenciais, dentre os quais destacamos com muita honra os livros: Escotismo para Rapazes, Lições da Escola da Vida e Guia do Chefe Escoteiro, de autoria de BP e 250 milhões de Escoteiros, de Laszlo Nagy, compreendemos a natureza simples do Movimento. As atividades fundamentam-se na percepção de que a criança deve ser contemplada na sua essência, isto é, que deverá ser convencida através da ludicidade a participar como agente ativo de seu desenvolvimento, tornando, assim, o rumo de cada reunião (através do planejamento do Chefe) parte significativa da vivência desse crescimento individual.

Nesta percepção não há espaços para novos conceitos que tomam espaço em realidades relativistas ou reacionárias. Os conceitos já criados dão conta da realidade que queremos para nossos jovens! Muitas vezes, ao incorporarmos elementos secundários como se prioritários fossem, perdemos nossa autonomia e vinculamos nosso sucesso ao atingimento de elementos transitórios. Neste sentido toda a produção de discursos outros que não aqueles contidos no programa estabelecido não se resume a simples atualização, mas, em grande parte, funciona como um desajunte, um desvio de finalidade do próprio escotismo.

Para que nossos jovens sigam e sintam em seus corações a validade de suas Leis que, individual e voluntariamente, decidiram aceitar e defender, é necessário que haja do Chefe Escoteiro uma percepção do que estas Leis significam e da crença transformadora do Método Escoteiro deixado por BP. Somente aí teremos a visão de que somos, de fato, uma instituição preocupada com os elementos essenciais da formação de caráter das nossas crianças e jovens.

Fraternos abraços e um forte aperto de canhota.

 

Sempre Alerta Para Servir o Melhor Possível!